‘Somos Tão Jovens’ retrata um Renato Russo imperfeito e longe do mito

Atuação de Thiago Mendonça como Renato Russo é um dos pontos altos do filme Foto: Divulgação

Atuação de Thiago Mendonça como Renato Russo é um dos pontos altos do filmeFoto: Divulgação

Maio será o mês de Renato Russo nos cinemas. Nesta sexta-feira (3) estreia Somos Tão Jovens, cinebiografia que flagra os anos de formação do líder da Legião Urbana, da adolescência até o início da vida adulta em Brasília. Já o último fim de semana do mês tem previsto o lançamento de Faroeste Caboclo, adaptação da quilométrica história de João de Santo Cristo.

Somos Tão Jovens é um lançamento ambicioso, o principal do fim de semana, com 550 salas.Faroeste Caboclo tem gerado muita expectativa entre os fãs, e não é apenas pela presença de Isis Valverde no elenco, como Maria Lúcia. Para o bem ou para o mal, mesmo há quase 17 anos de sua morte, Renato Russo continua a ser o maior ídolo do rock nacional – e o Legião uma das bandas que mais vende no País.

Se Somos Tão Jovens fizer o sucesso que se espera dele boa parte pode ser colocada na conta de Thiago Mendonça. O ator conseguir mimetizar os trejeitos de Renato Russo com delicadeza, sem exagerar nos gestos ou na fala. Ouvir Mendonça na tela é como assistir a entrevistas antigas de Renato, inclusive com a prepotência e segurança na voz de quem planejou desde muito cedo todos os passos que queria dar na vida.

Apesar de claramente ser uma homenagem, o filme não cai na simplicidade de retratar um Renato Russo acima do bem e do mal. Estão na tela o egoísmo de quem não tinha vergonha de usar os amigos para seu próprio interesse, o alcoolismo juvenil que o levava a pagar mico embaixo de janelas dos blocos de Brasília, a rebeldia de menino mimado, os ataques de estrelismo. Um retrato generoso de uma época bem distante do momento em que o mito suplantou o personagem que Renato criou para si.

No entanto, o filme é irregular e demora a engrenar, principalmente por tentar abranger, aos poucos, cada um dos elementos que criaram a persona Renato Russo. Partindo da epifisiólise, a doença rara que o deixou prostrado na cama por meses na adolescência – período em que devorou livros e discos como pastilhas de tic-tac -, e passando pela descoberta do punk nos semanários ingleses que lia na escola onde lecionava inglês, o longa vai juntando cada fato esparso como um quebra-cabeça que nunca se completa.

A criação do Aborto Elétrico, ponto fundamental da origem do rock de brasília, é abordada meticulosamente, mas esbarra nas atuações forçadas de Bruno Torres, como Fê Lemos, e Sergio Dalcin, como André Pretorius – no filme chamado de Petrus. A paixão platônica do vocalista por Flávio Lemos e a crescente tensão entre ele e o baterista, no entanto, ficam nítidas na tela. Apesar de continuarem amigos, o rancor de Renato pelo fim da banda nunca se dissipou totalmente – quando a gravadora do Capital Inicial sugeriu que o grupo pedisse uma música a Renato para o terceiro disco, o compositor negou a canção na cara de Fê Lemos.

Um dos motivos do legado do Legião Urbana ter crescido com os anos provavelmente reside no fato de Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá não terem abusado do espólio da banda. As constantes brigas com a família de Renato parecem ter diminuído – tanto a irmã do cantor como o filho do guitarrista fazem participações especiais no filme, por exemplo. Assim, mesmo que tardiamente, um dos grandes ídolos da música brasileira ganha as telas. Não deve converter novos legionários, mas nem precisa: as canções estão aí para isso.

O longa, dirigido por Antonio Carlos da Fontoura, mostra a trajetória do cantor, desde a adolescência – quando dava “aulinhas de inglês” – até o primeiro show da banda Legião Urbana, no Rio de Janeiro, em 1982
Foto: Divulgação
Laila Zaid vive Ana Cláudia, amiga de Renato Russo, no filme Somos Tão Jovens
Foto: Divulgação
Para interpretar o vocalista da Legião Urbana, Thiago mudou-se para Brasília por três meses, onde conviveu com amigos de Renato Russo e fez aulas com o diretor musical Carlos Trilha para cantar no longa
Foto: Divulgação
“Não era uma coisa consciente. Hoje, se eu tentar, talvez nem consiga repetir”, disse o ator, sobre os trejeitos de Renato
Foto: Divulgação
O ator recebeu o convite para interpretar Renato Russo em 2008 e as filmagens foram realizadas em 2011
Foto: Divulgação
“O Renato era um ser muito especial. Teve essa passagem rápida e tudo mais, mas de tão especial está aí até hoje”, afirmou Thiago Mendonça
Foto: Divulgação
Integrantes da banda Aborto Elétrico no filme Somos Tão Jovens
Foto: Divulgação
Cena de show da Aborto Elétrico no longa-metragem de Antonio Carlos da Fontoura
Foto: Divulgação
O longa mostra momentos de curtição de Renato Russo com sua turma – entre os amigos estavam músicos que futuramente formariam as bandas Capital Inicial e Paralamas do Sucesso
Foto: Divulgação
Set de filmagem de Somos Tão Jovens, em Brasília
Foto: Divulgação
O ator Ibsen Perucci interpretou Dinho, vocalista do Capital Inicial, no filme
Foto: Divulgação
Curta a nossa página no facebook:
Anúncios

Marcado:, , , , , , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: